Dia da Mulher: conheça as lideranças femininas da PPP que vai universalizar o saneamento no MS

Postado por administrador em 08/mar/2022 - Sem Comentários

Apesar de parecer predominantemente masculino, o mundo da engenharia ambiental conta com um número cada vez maior de lideranças femininas. No Mato Grosso do Sul não é diferente. Por aqui, a Ambiental MS Pantanal (AMSP) – empresa criada a partir da Parceria Público-Privada (PPP) entre a Sanesul e o Grupo Aegea – é um exemplo dessa mudança.

Hoje, o MS é apontado como uma referência nacional no saneamento, por ter se antecipado ao Marco Legal que, em 2020, abriu caminho para que a iniciativa privada se unisse ao governo do estado na empreitada de universalizar o saneamento básico dentro dos próximos dez anos.

O cumprimento da meta deve beneficiar aproximadamente 1,7 milhão de sul-mato-grossenses e trazer mais condições de saúde aos moradores. É sabido, por exemplo, que além de afetar a população como um todo, a falta de saneamento compromete a saúde física e mental da mulher, mina sua produtividade, dificulta o acesso à educação e, consequentemente, contribui para a desigualdade de gênero.

De acordo com pesquisa realizada pela Instituto Trata Brasil, no país, uma em cada quatro mulheres não tem acesso adequado aos serviços de saneamento básico.

No MS, o caminho até a universalização conta com a participação de mulheres que lideram grandes grupos de homens que – juntos – ajudarão a alcançar a tão sonhada meta de universalização do saneamento, contribuindo para um ambiente menos desigual.

Em entrevista, um grupo de quatro jovens mulheres que ocupam cargos de liderança na MS Pantanal contam como foram suas trajetórias até chegarem onde chegaram, falam das mudanças que observaram pelo caminho, e compartilham suas perspectivas sobre como o olhar feminino pode contribuir para um ambiente de trabalho mais humano e colaborativo.

Zaida Siufi Pereira. Natural de Uberaba (MG), Zaida, 31, é coordenadora de Meio Ambiente na AMSP. Engenheira ambiental, ela conta que tem como inspiração sua mãe, dentista, que a incentivou na escolha da profissão. Quando Zaida tinha apenas 7 anos, perdeu o pai e teve que ajudar a mãe a cuidar da casa e dos dois irmãos.

Desde que começou a trabalhar no ramo do saneamento, Zaida viu “muita coisa mudar” no que diz respeito à representatividade feminina no mercado de trabalho. Ela conta que, no começo, era a única mulher em um grupo de homens que monitoravam a rede de esgoto em Cuiabá (MT) e que, de lá pra cá, o quadro mudou substancialmente, com a contratação de várias mulheres para cargos estratégicos até então ocupados por homens.

“Confesso que me sentia privilegiada ao me ver como a única mulher no grupo… sentia meu trabalho reconhecido”, diz. “No entanto, comecei a refletir sobre o que isso realmente, significava: falta de representatividade feminina no mercado de trabalho”, pondera. “Fico feliz em ver que as coisas estão mudando”.

Zaida diz ainda que, ao longo de sua trajetória profissional, conheceu mulheres que a inspiraram e incentivavam na empresa. “Somos poucas, mas somos fortes e unidas… o caminho para um mundo mais igual é a união e o compartilhamento de experiências que sirvam de inspiração para outras mulheres”.

Para Zaida, mãe de uma menina de 3 anos, o olhar feminino tem muito a contribuir no ambiente de trabalho. “Eu, que sou mãe, quero o melhor para a minha filha”, diz. “Nós, mulheres, temos esse olhar mais cuidadoso… e quando a gente fala em saneamento, a gente fala em melhorar a qualidade de vida das pessoas; é isso que eu quero para minha filha”, completa.

Letícia Yule. Natural de Campinas (SP), a coordenadora do polo de Corumbá da MS Pantanal, Letícia Yule, 32, lidera cerca de 50 colaboradores homens, em diversos municípios da região.

Formada em Engenharia Civil, ela conta que escolheu a profissão por preferir as ciências exatas, e que não se preocupou com a percepção de que o curso era frequentado predominantemente por homens.

Assim como Zaida, Letícia tem a mãe como exemplo de inspiração. Ela conta que, com o divórcio dos pais, quando ainda era pequena, passou por momentos difíceis com a mãe que, além de estudar e trabalhar, cuidava de Letícia praticamente sozinha. “Minha mãe é minha inspiração. A vi trabalhar de manhã, de tarde e à noite, estudar e cuidar de mim, com ajuda de familiares”, conta.

Letícia diz ainda que, ao longo de sua trajetória profissional, viu-se em momentos em que precisou ser “mais firme”, principalmente quando assumiu cargos de chefia. “Às vezes, quando chego em um lugar novo, percebo que há alguma resistência por parte do colaborador que nunca teve uma chefe mulher…. mas é uma questão de tempo até que certa barreira seja rompida e eles vejam que o fato de eu ser uma mulher é apenas um detalhe”, diz.

Para Letícia, seu olhar feminino ajuda muito no relacionamento com os colaboradores. “Eu acho que o olhar feminino acrescenta no detalhe; mais sutil e humano ao abordar o colaborador”, diz. “Nós, mulheres, muitas vezes sabemos ouvir o colega, que se sente mais confortável para se abrir, caso esteja passando por uma situação difícil em casa, por exemplo”. “Somos uma empresa, mas também somos humanos… às vezes não vou poder ajudar, mas vou poder ouvir”, acrescenta.

Daniela Gutierres. Formada em Engenharia Sanitária Ambiental, Daniela é responsável pelo controle de qualidade dos serviços de tratamento e laboratório da MS Pantanal, nos 68 municípios onde a PPP atua no Mato Grosso do Sul.

Entre suas funções, ela é responsável pela performance das estações de tratamento de esgoto (ETEs) e as avaliações laboratoriais do interior do estado, além dos índices de qualidade, apoiando a operação.

Com apenas 18 anos, Daniela iniciou sua carreira no Grupo Aegea como estagiária no Centro de Controle de Operações (CCO) da concessionária Águas Guariroba, em Campo Grande. Ela conta que, à época, a representatividade feminina era pouco expressiva no setor, mas que a situação foi mudando gradualmente, com a contratação de novas líderes femininas.

Tal qual Zaida e Letícia, sua mãe é seu maior exemplo de inspiração feminina. “Minha mãe criou – praticamente sozinha – a mim e a minha irmã… Ela nunca mediu esforços no trabalho, nunca reclamava e estava sempre com um sorriso no rosto”, conta. “Por ela nunca ter desistido, ela é a minha inspiração de vida”, acrescenta.

Para Daniela, o olhar feminino nas relações com os colegas faz toda a diferença. “Temos delicadeza na comunicação, e os resultados disso são perceptíveis”, diz a engenheira.

Fernanda Jara. Supervisora do polo de Três Lagoas da MS Pantanal, Fernanda, 27, também está entre as mais jovens líderes da companhia, liderando um grupo de cerca de 24 homens, em três municípios da região.

Formada em Engenharia Civil, a campo-grandense conta que o fato de o curso ser predominantemente masculino não a intimidou, e que ela contou com todo o apoio de sua família na escolha da profissão.

Até chegar a seu posto de liderança, passou, no entanto, por situações de discriminação por ser mulher, quando trabalhava como empreiteira em uma empresa da capital. “Trabalhei em uma empresa em que eu era a única mulher, e estava começando a minha carreira. Sofri certa resistência por parte dos colegas na hora de impor minha autoridade, mas, hoje, onde estou, não vejo mais esse problema… há respeito entre os colegas”, diz.

Para Fernanda, que está há cerca de um ano na MS Pantanal, um dos melhores momentos de sua carreira foi quando ela teve a oportunidade de ser supervisora do polo de Três Lagoas. “Me senti super realizada”, diz. “Aqui existem boas perspectivas de crescimento para nós, mulheres… A gente vê acontecer”, conclui.

Em Bonito, coletivo planta mudas para recuperar vegetação que margeia o Rio Formoso

Postado por administrador em 25/fev/2022 - Sem Comentários

O coletivo Mil Pelo Planeta, em parceria com a Casa Vagalume e a Ambiental MS Pantanal – empresa criada a partir da Parceria Público-Privada (PPP) entre a Sanesul e o Grupo Aegea – realizou o plantio de mudas de espécies nativas do Cerrado para alargamento da vegetação que margeia o Rio formoso, em Bonito (MS), na última quarta-feira (23).

Foram doadas 250 mudas de espécies como jacarandá, moringa, ipê roxo e cedro rosa pela MS Pantanal. O plantio contou com a participação de agrônomos, biólogos e voluntários engajados na causa ambiental e em ações de recuperação do bioma.

Idealizador do Mil Pelo Planeta, o publicitário Neo Ávila explicou que o modelo de plantio escolhido foi o de “muvuca da natureza”, em que as mudas são plantadas juntamente com várias sementes de espécies nativas que protegem as árvores contra pragas e intempéries. “As sementes que utilizamos no plantio dão apoio ao crescimento das mudas, uma vez que acabam virando alvo de insetos, como formigas, que em vez de consumirem as mudas, prejudicando o seu crescimento, preferem as sementes da muvuca”, disse.

“As árvores plantadas neste sistema contam com uma rede de proteção das sementes”, endossou o especialista em plantio agroflorestal Thiago Luiz, que acompanhou a ação. “Além de protegerem as mudas, as sementes que compõem a muvuca atraem insetos polinizadores como a abelha e a libélula e acabam por auxiliar também no processo natural de recuperação da vegetação local”, explica.

Sustentabilidade. Em parceria com a MS Pantanal, o Mil Pelo Planeja já plantou mais de 2 mil mudas de espécies nativas em Bonito, município considerado capital do ecoturismo no Brasil. Parte dessas mudas também foram utilizadas para a recuperação da mata ciliar do Rio Formosinho.

Em novembro de 2020, o coletivo realizou o plantio de mil mudas no sistema agroflorestal e acompanha o desenvolvimento das plantas – frutíferas, em sua maioria -, que estão sendo utilizadas na subsistência de comunidades locais.

“As mudas doadas pela MS Pantanal estão prosperando”, disse Dona Élida, proprietária do terreno em que o coletivo realizou a ação em novembro. “Estamos cuidando muito bem dessas árvores, porque é delas que tiramos nosso sustento”, acrescentou.

Sobre a PPP. A MS Pantanal assumiu em maio do ano passado a operação plena de serviços de coleta, afastamento e tratamento de esgoto em todos os 68 municípios em que a Sanesul já atua. A parceria pioneira se tornou viável após a sanção do Marco Legal do Saneamento, em 2020.

Ao lado da Sanesul, a companhia tem a meta de universalizar os serviços de saneamento básico até 2031, antecipando-se à legislação. Com o cumprimento da meta, mais 1,7 milhão de sul-mato-grossenses terão acesso aos serviços, posicionando o MS como o primeiro estado do Brasil a realizar tal feito. Para isso, estima-se um investimento de cerca de R$ 1 bilhão em obras por parte da iniciativa privada.

 

 

Referência Nacional, PPP do saneamento completa um ano de contrato no MS; veja o que foi feito

Postado por administrador em 08/fev/2022 - Sem Comentários

Considerada uma referência para todo o país, dado seu pioneirismo, a Parceria Público-Privada (PPP) entre a Sanesul e o Grupo Aegea – que deu origem à empresa Ambiental MS Pantanal (AMSP) – completou, no último sábado (5), um ano de assinatura do contrato com o governo. 

Desde maio de 2021, com o início da chamada “operação plena” da AMSP, cerca de 12,3 mil sul-mato-grossenses já foram conectados à rede coletora de esgoto. A companhia está presente nos 68 municípios onde a Sanesul já atua e suas equipes e veículos já são vistos trabalhando em todas as regiões do Estado.

De lá pra cá, os avanços foram notáveis. Apenas nos primeiros nove primeiros meses de operação, a MS Pantanal já ligou cerca de 3,75 mil moradias à rede de esgoto. Além disso, foram realizados 12,6 mil serviços de desobstrução, para que o esgoto possa fluir com segurança.  

Universalização. A PPP surgiu com a meta de acelerar os investimentos para que o estado atinja a universalização do saneamento básico dentro da próxima década. A assinatura do contrato entre a Sanesul se deu em 5 de fevereiro do ano passado, na esteira da vitória da Aegea em um leilão promovido em outubro de 2020, logo após a sanção do Marco Legal do Saneamento. 

O evento de assinatura do contrato contou a presença do governador do estado, Reinaldo Azambuja, do presidente da Sanesul, Walter Carneiro Jr., e de outros executivos da Aegea Saneamento. À época, Azambuja disse que “o grande legado desta parceria é a possibilidade de abreviar o tempo, podendo entregar mais ao estado em um curto espaço de tempo”. “Quem olha o projeto de saneamento verá que é voltado à qualidade de vida”, afirmou. 

Com o cumprimento da meta estabelecida pela PPP, mais 1,7 milhão de pessoas terão acesso ao saneamento básico ao final de 2031, posicionando o MS como o primeiro estado do país a atingir a universalização. Para isso, estima-se um investimento de cerca de R$ 1 bilhão em obras por parte da iniciativa privada. 

Novos Equipamentos. Entre as melhorias trazidas pela PPP, estão os caminhões customizados da MS Pantanal, que foram distribuídos em vários municípios do estado. O modelo foi desenhado com o objetivo de minimizar possíveis transtornos em serviços como manutenção, troca de tubulação e ligação na rede de esgoto. 

Isso será possível porque esse tipo de caminhão reúne em um só veículo equipamentos como caçamba, retroescavadeira, baús para acondicionamento de ferramentas, guindaste e engate rápido para instrumentos hidráulicos. 

Com o novo caminhão, o deslocamento de vários veículos para a realização de um só veículo não se faz mais necessário, resultando na redução de poluentes e possíveis transtornos no tráfego das cidades. Desde maio, a MS Pantanal já distribuiu 14 modelos da retro saneamento em cidades como Três Lagoas, Dourados, Ponta Porã, Nova Andradina, Naviraí, Aquidauana, Sidrolândia, Chapadão do Sul e Jardim.  

Além disso, foram distribuídos 22 mini hidro jatos, usados na desobstrução da rede de esgoto e 6 caminhões hidro vácuo, utilizados para o mesmo fim. Em Corumbá, a MS Pantanal disponibilizou uma retroescavadeira com rompedor, dadas as peculiaridades do solo da região, localizada no Maciço do Urucum. O solo da região é conhecido por seus depósitos de minérios que o tornam mais difícil de ser rompido. 

Modernização. O sistema de monitoramento da rede coletora de esgoto também foi modernizado com a chegada da PPP, com a instalação de novas centrais digitais, que vieram substituir discadoras analógicas antigas e permitirão a coleta de dados operacionais mais detalhados nas estações elevatórias e de tratamento do esgoto (ETEs) do estado.

No novo sistema, o quadro de comando de cada unidade envia dados sobre o funcionamento dos equipamentos da planta para um sistema informatizado.

A iniciativa incorpora inteligência de dados e tecnologia à gestão, permitindo a coleta e cruzamento de informações importantes e úteis para o desenvolvimento de estratégias de atuação e investimento.

Na prática, isso significa que o funcionamento de 192 estações elevatórias de esgoto (EEEs) está sendo monitorado pelo Centro de Controle Operacional (CCO) da empresa, em Campo Grande, em tempo real, 24 horas por dia, todos os dias.

A AMSP ainda instalou geradores de energia em estações elevatórias de esgoto (EEEs) de Três Lagoas, que darão apoio ao funcionamento em caso de queda de energia. A instalação desses equipamentos deve trazer mais segurança e eficiência às operações, uma vez que quedas prolongadas de energia podem resultar no extravasamento de esgoto.

Infra Inteligente. Antes de assumir as operações de afastamento, coleta e tratamento de esgoto, a AMSP conduziu o programa Infra Inteligente, da Aegea – maior empresa privado de saneamento do país -, num período de três meses para mapear todos os ativos repassados pela Sanesul.

No período, foram percorridas cerca de 68 estações de tratamento de esgoto (ETEs) e 200 EEEs. Para isso, a empresa lançou mão de equipamentos de última geração, como drones capazes de reproduzir modelos tridimensionais das plantas.

O diretor-sênior de projetos da Aegea, Wagner Carvalho – um dos criadores do projeto – explicou que o mapeamento inteligente da estrutura de esgotamento sanitário do MS possibilita monitorar a saúde dos ativos “como se fosse um exame médico”.

De acordo com o diretor, o Infra Inteligente viabiliza a gestão intensiva dessa estrutura. “Com isso, é possível traçar estratégias mais assertivas de investimento e manutenção do patrimônio”, disse.

MS Pantanal abre vaga para técnico em Segurança do Trabalho em Três Lagoas

Postado por administrador em 01/dez/2021 - Sem Comentários

A Ambiental MS Pantanal – empresa criada a partir da Parceria Público-Privada (PPP) entre a Sanesul e o grupo Aegea – abriu vaga para técnico em Segurança do Trabalho em Três Lagoas (MS).

Entre os requisitos para a candidatura, exige-se curso técnico em Segurança do Trabalho, além de Carteira Nacional de Habilitação (CNH) da categoria “B” e disponibilidade para viagens no estado.

A MS Pantanal assumiu as operações de coleta, afastamento e tratamento de esgoto nos 68 municípios em que a Sanesul atua, em todas as regiões do Mato Grosso do Sul, com a meta de garantir esgotamento sanitário à 98% da população até o final de 2031. Desde então, equipes e veículos da PPP podem ser vistos em Três Lagoas e demais cidades.

Entre as principais atividades exercidas pelo técnico estão a análise e investigação de acidentes de trabalho, princípios de incêndio e suas consequências, visitas aos respectivos locais e verificação da utilização correta dos equipamentos de segurança, com o objetivo de prever futuros acidentes.

O técnico também deve realizar levantamentos sobre o grau de iluminação, ruídos, concentração de gases e risco de explosão, de acordo com as atividades exercidas. Além disso, deve-se elaborar cursos e palestras sobre segurança e participar de comissões internas sobre a prevenção de acidentes.

A MS Pantanal oferece benefícios como assistência médica, odontológica, vale alimentação, gympass e acesso a sua plataforma educacional. Os interessados devem enviar currículo e manifestar interesse pela vaga através do e-mail rh@ambientalmspantanal.com.br.

Cata Guavira: evento gastronômico traz curso de agricultura sintrópica e plantio agroflorestal a Bonito

Postado por administrador em 26/nov/2021 - Sem Comentários

Em sua oitava edição, o evento gastronômico e cultural Cata Guavira reuniu – ao longo da semana – chefes de cozinha, agrônomos, lideranças indígenas e produtores agrícolas para a realização de cursos e diálogos sobre agricultura sintrópica, plantio agroflorestal, biodiversidade e reciclagem, na Chácara Boa Vida, em Bonito.

O festival, que acontece em paralelo ao 17º Festival da Guavira de Bonito, se tornou referência na capital do ecoturismo sul-mato-grossense, e terá mais dois dias de atividades. Neste sábado (27), o evento será concluído na Feira do Produtor, onde os parceiros do evento farão a exposição e comercialização de seus produtos na Praça da Liberdade, a partir das 7h.

Curadora do Cata, a chef Letícia Krause conta que o evento surgiu com o intuito de promover a economia local de maneira sustentável. “O objetivo é, além de apresentar a rica diversidade da cultura gastronômica de MS, também trazer as vozes dos povos locais que são referência de agroextrativismo sustentável”, diz. “Isso contribui para um evento com muita inovação, fortalecendo as comunidades atuando nessas diferentes pontas”, acrescenta.

Neste ano, o Cata Guavira trouxe o biólogo Juã Pereira, proprietário do Sítio Semente, que ministrou aulas sobre práticas de plantio e podas no sistema agroflorestal. Esse sistema reúne as culturas de importância agronômica em conjunto com plantas que integram a floresta, levando em consideração a recuperação vegetal e do solo afetado pela monocultura.

Apoiadora do projeto, a empresa de saneamento Ambiental MS Pantanal, que surgiu da Parceria Público-Privada (PPP) entre a Sanesul e o Grupo Aegea, doou mil mudas de espécies nativas, em parceria com o coletivo Mil Pelo Planeta, para apoiar realização dos cursos. Foram entregues mudas de espécies como angico branco e preto; cumbaru; ipê amarelo, rosa, roxo e branco; jatobá; nêspera; laranjinha do cerrado; cagaita; cedro rosa; murta-cheirosa e cajá-mirim.

Na semana, também foi realizada uma palestra com a servidora da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer), Jovelina Marina de Oliveira, sobre a importância das abelhas nativas na conservação da biodiversidade e na produção de alimentos.

Ainda participaram do evento lideranças indígenas da Organização Caianás, do povo terena. A organização atua na comunidade Cachoeirinha e aldeias próximas, no município de Miranda, no Pantanal. Líder do Caianás, o terena Leosmar Antonio, promoveu diálogos sobre os fazeres sustentáveis e a cultura ancestral da etnia.

Nesta tarde (26), a partir das 18h, o Cata Guavira realiza uma roda de conversa que será transmitida ao vivo pelo Youtube, sobre extrativismo sustentável. O bate-papo contará com a presença de grandes nomes do extrativismo sustentável na região do Cerrado e do Pantanal: Rosana Claudina da Costa Sampaio (Presidente da CEPPEC) e Libertina (Presidente da Associação das Mulheres Extrativistas e Liderança na comunidade indígena Imbirussu, em Taunay MS).

Referência em saneamento, MS é destaque em seminário sobre contratos de concessão e PPP

Postado por administrador em 18/nov/2021 - Sem Comentários

O avanço do saneamento foi um dos temas discutidos nesta quarta-feira (17) no 1º seminário sobre contratos de concessão e parceria público-privada (PPP) em saneamento à luz do novo marco legal, realizado pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes). O evento, contou com participação de diretores da Sanesul e da Ambiental MS Pantanal e trouxe palestras do Dr. Maurício Portugal – um dos redatores do projeto de lei de PPP que deu origem à lei federal nº 11.079/04 e do especialista em contratos administrativos e concessões Gustavo Justino de Oliveira, Professor Doutor de Direito Administrativo na Faculdade de Direito da USP.

O objetivo foi debater os principais pontos que envolvem o processo de concessão dentro de uma PPP, além de trazer o cenário atual do saneamento e a importância do Marco Legal do Saneamento. Destaque no seminário, Mato Grosso Sul foi um dos exemplos abordados por ser um dos pioneiros ao aprovar uma PPP com o Grupo AEGEA, através da Ambiental MS Pantanal, tendo como meta a universalização do esgotamento sanitário.

Para o diretor-presidente da Sanesul, Walter Carneiro Júnior, o 1º seminário traz a troca de experiências com diversos profissionais dentro do saneamento destacando também Mato Grosso do Sul como um dos primeiros estados a concretizar uma parceria público privada visando a universalização de serviços.

“O Seminário traz uma discussão importante já que o país vem discutindo constantemente o saneamento com a chegada do Marco Legal as normativas e adequações para o novo momento. Mato Grosso do Sul está na vanguarda do saneamento ao desenvolver esta PPP antes mesmo do Marco, nos dando condições para elaborar um plano de negócio para todos os municípios e chegar aos índices de universalização dos serviços de esgotamento”, destaca Walter.

De acordo com o Paulo Antunes, diretor para Relações Institucionais AEGEA Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, o seminário traz um debate necessário ampliando a visão técnica para as parcerias público privadas dentro das prerrogativas do novo Marco do Saneamento.

“O saneamento passa por um momento fantástico tanto no ponto de vista de regulação e legislação por conta do novo Marco do Saneamento. Isso reflete em um fomento muito grande de novas concessões, com muitos municípios estão preparando para estas tratativas. Dessa forma, faz com que as instituições envolvidas precisem se especializar e debater mais sobre os aspectos regulatórios e legais e os desafios do saneamento em nosso país”, explica Paulo.

“A importância de um debate como proposto pelo Seminário, é mostrar que o país deve ser capaz de atingir as metas da universalização do saneamento, sendo uma estrutura essencial para a melhoria da qualidade de vida da população, representando a queda de índices de doenças e mortalidade. Além disso, Mato Grosso do Sul deu um passo enorme ao conseguir assinar uma PPP que engloba todo o estado, estando a frente de outros à medida que tem um contrato direcionado para se chegar a universalização. Ao mesmo tempo, é preciso também pensar nos próximos passos para a execução, com a parceria da agencia reguladora no acompanhamento deste trabalho mantendo a na expansão de agua e esgoto”, explicou o Dr.Maurício Portugal, professor de modelos regulatórios e um dos palestrantes convidados.

UFMS e MS Pantanal assinam termo de cooperação técnico-científica

Postado por administrador em 01/set/2021 - Sem Comentários

A Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) e a Ambiental MS Pantanal (AMSP) – empresa criada a partir da Parceria Público-Privada (PPP) do saneamento entre a Sanesul e o Grupo Aegea – assinaram, nessa terça-feira (31), um protocolo de intenções que visa a cooperação técnico-científica entre as partes, em Campo Grande.

Com o protocolo, as partes formalizam a intenção de colaborarem em projetos que venham a beneficiar a produção científica em âmbito estadual, no tocante a assuntos de saneamento básico, engenharia e meio ambiente, por exemplo.

Além do reitor da UFMS, Marcelo Turine, estiveram presentes a vice-reitora, Camila Itavo; o diretor da Agência de Desenvolvimento e Inovação (Aginova), Saulo Moreira; e professores, diretores e pesquisadores da Faculdade de Engenharia (Faeng). Também participaram o diretor regional de relações institucionais da Aegea, Paulo Antunes; o diretor presidente da AMSP, Celso Paschoal; e o diretor-executivo da empresa, Clayton Bezerra.

Na esteira do encontro, Turine afirmou que “é um orgulho muito grande para a UFMS assinar um protocolo de intenções junto a uma empresa que é referência em saneamento em todo o país e, em especial, no Mato Grosso do Sul”. “Tenho certeza que nascerão daqui muitos projetos inovadores para a sociedade sul-mato-grossense… projetos de impacto científico para melhorar a qualidade de vida da população”, ressaltou o reitor.

“Estarmos do lado da academia irá permitir troca de experiências e pesquisas que contribuirão de forma significativa para a implantação de melhorias no saneamento em nosso Estado”, disse Antunes. “Trata-se da união dos melhores esforços, conhecimentos e práticas sustentáveis que passarão a estar em sinergia”, explicou.

Sobre a PPP. A MS Pantanal assumiu, desde maio, a operação plena de serviços de coleta, afastamento e tratamento de esgoto em todos os 68 municípios em que a Sanesul já atua. A parceria pioneira se tornou viável após a sanção do Marco Legal do Saneamento, em 2020.

Ao lado da Sanesul, a companhia controlada pelo Grupo Aegea tem a meta de universalizar os serviços de saneamento básico até 2031, antecipando-se à legislação. Com o cumprimento da meta, mais 1,7 milhão de sul-mato-grossenses terão acesso aos serviços, posicionando o MS como o primeiro estado do Brasil a realizar tal feito. Para isso, estima-se um investimento de cerca de R$ 1 bilhão em obras por parte da iniciativa privada.

Desde maio, equipes e veículos da PPP já podem ser vistos por moradores de todas as regiões do Estado. Apenas nos primeiros três primeiros meses de operação, a MS Pantanal já ligou mais de 1,8 mil moradias à rede de esgoto. Além disso, foram realizados 5,5 mil serviços de desobstrução, para que o esgoto possa fluir com segurança.

MS Pantanal conclui ligação de 255 moradias à rede de esgoto de Três Lagoas

Postado por administrador em 30/ago/2021 - Sem Comentários

A Ambiental MS Pantanal (AMSP), empresa criada a partir da Parceria Público-Privada (PPP) entre a Sanesul e o Grupo Aegea, concluiu, nesta semana, a ligação de 255 habitações à rede de esgoto, em Três Lagoas.

Foram finalizadas ligações no bairro Nova Americana e no Jardim Glória. Estima-se que, ao todo, cerca de 900 pessoas sejam beneficiadas pelos serviços.

Os trabalhos fazem parte de um plano da PPP para disponibilizar ligações em lotes urbanizados que já possuem rede de esgoto disponível, levando mais qualidade de vida à população sul-mato-grossense.

Em maio, a empresa assumiu as operações de coleta e tratamento de esgoto em Três Lagoas e em outros 67 municípios do estado onde a Sanesul já atua, na esteira de um período de três meses em que os ativos da estatal foram cadastrados e as plantas digitalizadas. Desde então, equipes e veículos da PPP são vistos em todas as regiões do Mato Grosso do Sul.

A MS Pantanal tem a meta de, ao lado da Sanesul, universalizar o esgotamento sanitário no estado até o final de 2031, quando mais 1,7 milhão de sul-mato-grossenses devem ter acesso aos serviços, totalizando uma cobertura de 98% da população. Com isso, o MS será o primeiro estado do país a atingir a universalização do saneamento básico.

Novos equipamentos. No final de julho, Três Lagoas ainda recebeu uma terceira unidade do caminhão customizado da MS Pantanal, chamado de retro saneamento. O veículo é apontado como uma solução para o setor de saneamento e foi desenhado com o objetivo de minimizar possíveis transtornos causados por obras.

A retro saneamento traz mais agilidade a serviços como manutenção, troca de tubulação, ligação da rede de esgoto, entre outros. Isso será possível porque esse tipo de caminhão reúne – em um só veículo – equipamentos como caçamba, retroescavadeira, baús para acondicionamento de ferramentas, guindaste e engate rápido para instrumentos hidráulicos.

Com isso, o deslocamento de vários veículos para a realização de um só serviço não se faz mais necessário, resultando na redução da emissão de poluentes e de possíveis transtornos no tráfego das cidades. Municípios como Dourados, Ponta Porã, Nova Andradina, Naviraí, Aquidauana, Sidrolândia, Jardim e Chapadão do Sul também receberam modelos da retro saneamento da MS Pantanal.

Além disso, a AMSP investiu em novos geradores de energia elétrica, que darão apoio ao funcionamento das estações elevatórias de esgoto Caçula e Difusora, em Três Lagoas. A instalação desses equipamentos deve trazer mais segurança e eficiência às operações.

Os geradores serão instalados como uma medida preventiva, uma vez que uma queda prolongada da rede elétrica pode interromper o funcionamento das elevatórias que bombeiam o esgoto bruto produzido pelo município e causar possível extravasamento do efluente.

Referência Nacional, PPP do Saneamento completa 100 dias de operação no MS; veja o que já foi feito

Postado por administrador em 23/ago/2021 - Sem Comentários

Considerada uma referência para todo o país, dado seu pioneirismo, a Parceria Público-Privada (PPP) entre a Sanesul e o Grupo Aegea – que deu origem à empresa Ambiental MS Pantanal (AMSP) – completou, neste mês, cem dias de operação no Mato Grosso do Sul.

Desde maio, com o início da chamada “operação plena” da AMSP, cerca de 6,3 mil sul-mato-grossenses já foram conectados à rede coletora de esgoto. A companhia está presente nos 68 municípios onde a Sanesul já atua e suas equipes e veículos já são vistos trabalhando em todas as regiões do Estado.

De lá pra cá, os avanços foram notáveis. Apenas nos primeiros três primeiros meses de operação, a MS Pantanal já ligou cerca de 1,8 mil moradias à rede de esgoto. Além disso, foram realizados 5,5 mil serviços de desobstrução, para que o esgoto possa fluir com segurança.

Universalização. A PPP surgiu com a meta de acelerar os investimentos para que o estado atinja a universalização do saneamento básico dentro dos próximos dez anos. A assinatura do contrato entre a Sanesul se deu em 5 de fevereiro deste ano, na esteira da vitória da Aegea em um leilão promovido em outubro de 2020, logo após a sanção do Marco Legal do Saneamento.

O evento de assinatura do contrato contou a presença do governador do estado, Reinaldo Azambuja, do presidente da Sanesul, Walter Carneiro Jr., e de outros executivos da Aegea Saneamento. À época, Azambuja disse que “o grande legado desta parceria é a possibilidade de abreviar o tempo, podendo entregar mais ao estado em um curto espaço de tempo”. “Quem olha o projeto de saneamento verá que é voltado à qualidade de vida”, afirmou.

Celso Paschoal, diretor-presidente da MS Pantanal, explica que uma das expectativas com a chegada da iniciativa privada na modelagem é a de continuar trazendo inovações e possibilidades para otimizar a execução dos serviços. “A MS Pantanal veio pra isso; impulsionar os investimentos, trazer melhorias, agilidade e eficiência nos processos, bem como minimizar possíveis transtornos na execução dos trabalhos”, disse.

Com o cumprimento da meta estabelecida pela PPP, mais 1,7 milhão de pessoas terão acesso ao saneamento básico ao final de 2031, posicionando o MS como o primeiro estado do país a atingir a universalização. Para isso, estima-se um investimento de cerca de R$ 1 bilhão em obras por parte da iniciativa privada.

Novos Equipamentos. Entre as melhorias trazidas pela PPP, estão os caminhões customizados da MS Pantanal, que foram distribuídos em vários municípios do estado. O modelo foi desenhado com o objetivo de minimizar possíveis transtornos em serviços como manutenção, troca de tubulação e ligação na rede de esgoto.

Isso será possível porque esse tipo de caminhão reúne em um só veículo equipamentos como caçamba, retroescavadeira, baús para acondicionamento de ferramentas, guindaste e engate rápido para instrumentos hidráulicos.

Com o novo caminhão, o deslocamento de vários veículos para a realização de um só veículo não se faz mais necessário, resultando na redução de poluentes e possíveis transtornos no tráfego das cidades. Desde maio, a MS Pantanal já distribuiu 14 modelos da retro saneamento em cidades como Três Lagoas, Dourados, Ponta Porã, Nova Andradina, Naviraí, Aquidauana, Sidrolândia, Chapadão do Sul e Jardim.

Além disso, foram 24 mini hidro jatos, usados na desobstrução da rede de esgoto e 4 caminhões hidro jato, utilizados para o mesmo fim. Em Corumbá, a MS Pantanal disponibilizou uma retroescavadeira com rompedor, dadas as peculiaridades do solo da região, localizada no Maciço do Urucum. O solo da região é conhecido por seus depósitos de minérios que o tornam mais difícil de ser rompido.

Modernização. O sistema de monitoramento da rede coletora de esgoto também foi modernizado com a chegada da PPP, com a instalação de novas centrais digitais, que vieram substituir discadoras analógicas antigas e permitirão a coleta de dados operacionais mais detalhados nas estações elevatórias e de tratamento do esgoto (ETEs) do estado.

No novo sistema, o quadro de comando de cada unidade envia dados sobre o funcionamento dos equipamentos da planta para um sistema informatizado.

A iniciativa incorpora inteligência de dados e tecnologia à gestão, permitindo a coleta e cruzamento de informações importantes e úteis para o desenvolvimento de estratégias de atuação e investimento.

Na prática, isso significa que o funcionamento de 192 estações elevatórias de esgoto (EEEs) está sendo monitorado pelo Centro de Controle Operacional (CCO) da empresa, em Campo Grande, em tempo real, 24 horas por dia, todos os dias.

A AMSP ainda instalou geradores de energia em estações elevatórias de esgoto (EEEs) de Três Lagoas, que darão apoio ao funcionamento em caso de queda de energia. A instalação desses equipamentos deve trazer mais segurança e eficiência às operações, uma vez que quedas prolongadas de energia podem resultar no extravasamento de esgoto.

Infra Inteligente. Antes de assumir as operações de afastamento, coleta e tratamento de esgoto, em maio, a AMSP conduziu o programa Infra Inteligente, da Aegea – maior empresa privado de saneamento do país -, num período de três meses para mapear todos os ativos repassados pela Sanesul.

No período, foram percorridas cerca de 68 estações de tratamento de esgoto (ETEs) e 200 EEEs. Para isso, a empresa lançou mão de equipamentos de última geração, como drones capazes de reproduzir modelos tridimensionais das plantas.

Reconhecido internacionalmente, o Infra Inteligente foi destaque no Fórum do Saneamento realizado na Bolsa de Valores de São Paulo, em julho. À época, o diretor-sênior de projetos da Aegea, Wagner Carvalho – um dos palestrantes do evento – explicou que o mapeamento inteligente da estrutura de esgotamento sanitário do MS possibilita monitorar a saúde dos ativos “como se fosse um exame médico”.

De acordo com o diretor, o Infra Inteligente viabiliza a gestão intensiva dessa estrutura. “Com isso, é possível traçar estratégias mais assertivas de investimento e manutenção do patrimônio”, disse.

Três Lagoas: MS Pantanal executa ligação de 227 moradias à rede de esgoto

Postado por administrador em 05/ago/2021 - Sem Comentários

A Ambiental MS Pantanal, empresa criada a partir da Parceria Público-Privada (PPP) entre a Sanesul e o Grupo Aegea, está executando a ligação de 227 habitações à rede de esgoto, em Três Lagoas.

Nesta semana, serão concluídas 149 ligações no bairro Nova Americana e, nos próximos dias, mais 78 no bairro Jardim Glória. Estima-se que, ao todo, cerca de 726 pessoas serão beneficiadas.

Os trabalhos fazem parte de um plano da PPP para disponibilizar ligações em lotes urbanizados que já possuem rede de esgoto disponível, levando mais qualidade de vida à população sul-mato-grossense.

Em maio, a empresa assumiu as operações de coleta e tratamento de esgoto em Três Lagoas e em outros 67 municípios do estado onde a Sanesul já atua, na esteira de um período de três meses em que os ativos da estatal foram cadastrados e as plantas digitalizadas. Desde então, equipes e veículos da PPP são vistos em todas as regiões do Mato Grosso do Sul.

A MS Pantanal tem a meta de, ao lado da Sanesul, universalizar o esgotamento sanitário no estado até o final de 2031, quando mais 1,7 milhão de sul-mato-grossenses devem ter acesso aos serviços, totalizando uma cobertura de 98% da população. Com isso, o MS será o primeiro estado do país a atingir a universalização do saneamento básico.

Novos equipamentos. No final de julho, Três Lagoas ainda recebeu uma terceira unidade do caminhão customizado da MS Pantanal, chamado de retro saneamento. O veículo é apontado como uma solução para o setor de saneamento e foi desenhado com o objetivo de minimizar possíveis transtornos causados por obras.

A retro saneamento traz mais agilidade a serviços como manutenção, troca de tubulação, ligação da rede de esgoto, entre outros. Isso será possível porque esse tipo de caminhão reúne – em um só veículo – equipamentos como caçamba, retroescavadeira, baús para acondicionamento de ferramentas, guindaste e engate rápido para instrumentos hidráulicos.

Com isso, o deslocamento de vários veículos para a realização de um só serviço não se faz mais necessário, resultando na redução da emissão de poluentes e de possíveis transtornos no tráfego das cidades.

Além de Três Lagoas, municípios como Dourados, Ponta Porã, Nova Andradina, Naviraí, Aquidauana, Sidrolândia e Chapadão do Sul também receberam modelos da retro saneamento da MS Pantanal.