Anaurilândia: Rota do Saneamento entrega R$ 3,4 milhões em obras de esgoto

Postado por administrador em 20/dez/2021 - Sem Comentários

O diretor-presidente da Empresa de Saneamento do Mato Grosso do Sul (Sanesul), Walter Carneiro Jr., esteve em Anaurilândia, na última quinta-feira (16), para entregar R$ 3,4 milhões em obras de esgotamento sanitário ao município, localizado a cerca de 372 quilômetros de Campo Grande.

A cerimônia de entrega contou com a presenta do prefeito Edson Takazono, que destacou a importância dos investimentos na estrutura de saneamento não apenas em Anaurilândia, mas também nos demais municípios em que a estatal está presente.

“A Sanesul é uma das empresas pioneiras que está levando a todos os municípios a questão do tratamento de esgoto”, disse Takazono. “Quando se fala em saneamento básico, se fala em saúde… Antes, a gente ouvia em noticiários a mortalidade de crianças porque as pessoas não consumiam, de forma alguma, água tratada”, afirmou. “Falo por Anaurilândia, hoje temos aqui 100% de água tratada”, acrescentou.

Durante o ato, foram inauguradas a construção de uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) com capacidade para 20 litros por segundo, uma elevatória de esgoto tratado, 1.287 metros de emissário, 3.246 metros de rede coletora de esgoto, 424 ligações domiciliares, reabilitação de 141 ligações domiciliares de esgoto, além de um laboratório e obras complementares. No total, foram investidos R$ 3.481.442,17 em obras.

PPP do Saneamento. A estrutura entregue pela Sanesul está sendo operada pela Ambiental MS Pantanal – empresa criada a partir da Parceria Público-Privada (PPP), entre a estatal e o Grupo Aegea.

Desde maio, a companhia assumiu os serviços de coleta, afastamento e tratamento do esgoto em todas os 68 municípios em que a Sanesul está presente.

Com a PPP, possibilitada pelo Marco Legal do Saneamento, o MS deve se tornar o primeiro estado do país a atingir a universalização do saneamento básico dentro dos próximos dez anos, garantindo acesso a mais 1,7 milhão de sul-mato-grossenses aos serviços. Para isso, a MS Pantanal estima um investimento de cerca de R$ 1 bilhão em obras.

Bataguassu: Rota do Saneamento entrega R$ 7,4 milhões em obras de esgotoa

Postado por administrador em 20/dez/2021 - Sem Comentários

O diretor-presidente da Empresa de Saneamento do Mato Grosso do Sul (Sanesul), Walter Carneiro Jr., esteve em Bataguassu – cidade a 330 quilômetros de Campo Grande –, na última semana, para entregar R$ 7,4 milhões em obras de esgotamento sanitário no município, como parte da “Rota do Saneamento”.

Na presença do prefeito Akira Otsubo, vereadores e secretários municipais, Carneiro Jr. disse que recebeu “a importante atribuição do governador Reinaldo Azambuja” de entregar obras de saneamento nos 68 municípios em que a estatal detém a concessão dos serviços.

De acordo com a Sanesul, a “Rota do Saneamento” está cumprindo a missão atribuída pelo governo a fim de universalizar o sistema de esgotamento sanitário do MS, percorrendo os municípios e entregando obras.

“Estamos entregando melhorias à população de Bataguassu. São mais de R$ 13 milhões em obras que estão sendo entregues e autorizadas nos municípios”, disse o diretor-presidente. “Uma nova estação totalmente remodelada, mais redes de esgoto, mais estações elevatórias e mais condições de levar o esgotamento sanitário para toda a população”, acrescentou.

Já o prefeito Otsubo destacou a importância dos investimentos e disse que o saneamento básico significa mais saúde e qualidade de vida para a população de Bataguassu.

No ato público, foram entregues 11.397 metros de rede coletora de esgoto e 684 ligações domiciliares de esgoto como parte do programa Avançar Cidades, com recursos próprios da Sanesul contratados via Caixa Econômica Federal. O investimento é de R$ 2.170.815,52.

Também foram inauguradas obras de ampliação da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), com vazão de 20 litros por segundo e mais 695 ligações domiciliares à rede, cujos investimentos envolvem recursos da Fundação Nacional da Saúde (Funasa) e contrapartida da Sanesul. No total, foram investidos R$ 4.186.375,43.

Além disso, também com recursos da Funasa, foi entregue outro pacote, que inclui rede coletora de esgoto e 660 ligações domiciliares, no valor de R$ 1.094.362,52.

PPP do Saneamento. A estrutura entregue pela Sanesul está sendo operada pela Ambiental MS Pantanal – empresa criada a partir da Parceria Público-Privada (PPP), entre a estatal e o Grupo Aegea.

Desde maio, a companhia assumiu os serviços de coleta, afastamento e tratamento do esgoto em todas os 68 municípios em que a Sanesul está presente.

Com a PPP, possibilitada pelo Marco Legal do Saneamento, o MS deve se tornar o primeiro estado do país a atingir a universalização do saneamento básico dentro dos próximos dez anos, garantindo acesso a mais 1,7 milhão de sul-mato-grossenses aos serviços. Para isso, a MS Pantanal estima um investimento de cerca de R$ 1 bilhão em obras.

Referência em saneamento, MS é destaque em seminário sobre contratos de concessão e PPP

Postado por administrador em 18/nov/2021 - Sem Comentários

O avanço do saneamento foi um dos temas discutidos nesta quarta-feira (17) no 1º seminário sobre contratos de concessão e parceria público-privada (PPP) em saneamento à luz do novo marco legal, realizado pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes). O evento, contou com participação de diretores da Sanesul e da Ambiental MS Pantanal e trouxe palestras do Dr. Maurício Portugal – um dos redatores do projeto de lei de PPP que deu origem à lei federal nº 11.079/04 e do especialista em contratos administrativos e concessões Gustavo Justino de Oliveira, Professor Doutor de Direito Administrativo na Faculdade de Direito da USP.

O objetivo foi debater os principais pontos que envolvem o processo de concessão dentro de uma PPP, além de trazer o cenário atual do saneamento e a importância do Marco Legal do Saneamento. Destaque no seminário, Mato Grosso Sul foi um dos exemplos abordados por ser um dos pioneiros ao aprovar uma PPP com o Grupo AEGEA, através da Ambiental MS Pantanal, tendo como meta a universalização do esgotamento sanitário.

Para o diretor-presidente da Sanesul, Walter Carneiro Júnior, o 1º seminário traz a troca de experiências com diversos profissionais dentro do saneamento destacando também Mato Grosso do Sul como um dos primeiros estados a concretizar uma parceria público privada visando a universalização de serviços.

“O Seminário traz uma discussão importante já que o país vem discutindo constantemente o saneamento com a chegada do Marco Legal as normativas e adequações para o novo momento. Mato Grosso do Sul está na vanguarda do saneamento ao desenvolver esta PPP antes mesmo do Marco, nos dando condições para elaborar um plano de negócio para todos os municípios e chegar aos índices de universalização dos serviços de esgotamento”, destaca Walter.

De acordo com o Paulo Antunes, diretor para Relações Institucionais AEGEA Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, o seminário traz um debate necessário ampliando a visão técnica para as parcerias público privadas dentro das prerrogativas do novo Marco do Saneamento.

“O saneamento passa por um momento fantástico tanto no ponto de vista de regulação e legislação por conta do novo Marco do Saneamento. Isso reflete em um fomento muito grande de novas concessões, com muitos municípios estão preparando para estas tratativas. Dessa forma, faz com que as instituições envolvidas precisem se especializar e debater mais sobre os aspectos regulatórios e legais e os desafios do saneamento em nosso país”, explica Paulo.

“A importância de um debate como proposto pelo Seminário, é mostrar que o país deve ser capaz de atingir as metas da universalização do saneamento, sendo uma estrutura essencial para a melhoria da qualidade de vida da população, representando a queda de índices de doenças e mortalidade. Além disso, Mato Grosso do Sul deu um passo enorme ao conseguir assinar uma PPP que engloba todo o estado, estando a frente de outros à medida que tem um contrato direcionado para se chegar a universalização. Ao mesmo tempo, é preciso também pensar nos próximos passos para a execução, com a parceria da agencia reguladora no acompanhamento deste trabalho mantendo a na expansão de agua e esgoto”, explicou o Dr.Maurício Portugal, professor de modelos regulatórios e um dos palestrantes convidados.

‘Com PPP, MS tem meta de atingir universalização do saneamento em dez anos’, afirma Verruck

Postado por administrador em 05/out/2021 - Sem Comentários

Em uma roda de debate realizada na manhã desta terça-feira (5), em Campo Grande, o secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar de Mato Grosso do Sul, Jaime Verruck, afirmou que, com a Parceria Público-Privada (PPP) entre a Sanesul e o Grupo Aegea, o estado deve atingir a universalização do saneamento básico dentro da próxima década.

“A meta é que em 2030 tenhamos 98% de universalização no MS naqueles municípios que são geridos pela nossa empresa de saneamento”, disse o secretário, em debate que contou com a participação do Procurador-Geral de Justiça do Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MPMS), Alexandre Magno, e da juíza de Direito do Tribunal de Justiça (TJMS), Joseliza Turine.

De acordo com dados do instituto de pesquisa Trata Brasil, 35 milhões de brasileiros não têm acesso à agua potável e cerca de 100 milhões não têm acesso à rede de esgoto, o que contribui para índices relativamente altos de doenças de veiculação hídrica entre à população que vive à margem dos serviços de saneamento.

A universalização do esgoto estabelecida pelo marco legal tem o intuito de reduzir a mortalidade infantil e melhoras os índices de educação, emprego e turismo

No encontro, Verruck pontuou que um dos fatores determinantes para que o MS se antecipasse ao Marco Legal sancionado no ano passado foi o da eficiência da iniciativa privada. “A grande questão é de como o setor privado tem capacidade de ser mais eficiente”, disse. “Então, o estabelecimento de metas de eficiência é fundamental para que você não tenha impacto na tarifa”.

O plano de PPP de MS, que deu origem à empresa Ambiental MS Pantanal, é uma referência em todo o país. Com o cumprimento da meta, mais 1,7 milhão de sul-mato-grossenses terão acesso aos serviços de afastamento, coleta e tratamento de esgoto ao final da década. Assim, o estado será o primeiro do país a universalizar o saneamento, e, para isso, a MS Pantanal estima um investimento de R$ 1 bilhão em obras.

A MS Pantanal assumiu, em maio, a operação plena dos serviços de esgoto em 68 municípios que a Sanesul já atua, após um período de 3 meses de mapeamento e cadastro digital dos ativos da estatal.

De acordo com dados do ranking do saneamento, existem 35 milhões de brasileiros sem acesso à água potável e 100 milhões sem acesso à rede de esgoto. A universalização do esgoto consiste em promover o acesso à água tratada, coleta e tratamento de esgoto à população sul-mato-grossense.

O evento foi realizado pelo Instituto “Não Aceito Corrupção”, uma associação civil fundada em 2015 pelo então Promotor de Justiça Roberto Livianu, que abriu a roda de debate.

MS avança com obrigações do Marco Legal e deve ser o 1º a universalizar esgoto, diz secretário nacional de Saneamento

Postado por administrador em 28/set/2021 - Sem Comentários

Ao se antecipar ao Marco Legal do Saneamento, o Mato Grosso do Sul tem avançado com as obrigações da lei e deve ser o primeiro estado do país a alcançar a universalização dos serviços de esgotamento sanitário, disse o secretário nacional de Saneamento, Pedro Ronald Maranhão, que cumpriu agenda em Campo Grande, nesta terça-feira (28).

Em coletiva de imprensa realizada na sede da Sanesul, o secretário explicou que a legislação sancionada no ano passado teve como um dos objetivos garantir segurança jurídica para que a iniciativa privada se interessasse em projetos de universalização, a fim de garantir mais investimentos para que toda a população tenha acesso aos serviços dentro dos próximos dez anos.

A meta do Governo Federal com o novo marco é alcançar a universalização até 2033, garantindo que pelo menos 90% da população tenha acesso ao tratamento e coleta de esgoto no país. No MS, no entanto, com a Parceria Público-Privada (PPP) do Saneamento, estima-se que esse objetivo deva ser alcançado ainda em 2031.

Também presente na coletiva, o diretor-presidente da Sanesul, Walter Carneiro Jr., explicou que o cenário no MS é muito diferente do restante do país, com o estado já caminhando para cumprir com as obrigações da nova lei.

“Mato Grosso do Sul avançou bastante no setor de saneamento e como o próprio secretário disse, podemos observar que saímos na frente”, disse o chefe da Sanesul. “Somos referência para o Brasil em termos de tomada de decisão, com mais de 55% de cobertura de esgoto”, acrescentou.

Em outubro do ano passado, o leilão da Sanesul para a criação de uma PPP que cumprisse a meta de universalização foi vencido pelo Grupo Aegea, dando origem à empresa Ambiental MS Pantanal, que já está presente em todos os 68 municípios em que a estatal já atua.

A companhia assumiu a operação plena dos serviços de coleta, afastamento e tratamento de esgoto em maio deste ano e, desde então, equipes e veículos da PPP já podem ser vistos em todas as regiões do Estado. A expectativa é que, ao final de 2031, mais 1,7 milhão de sul-mato-grossenses sejam incluídos na cobertura da rede de esgoto. Para isso, a MS Pantanal estima um investimento de R$ 1 bilhão em obras.

Sanesul entrega R$ 4,3 milhões em obras de esgoto em Chapadão do Sul

Postado por administrador em 23/set/2021 - Sem Comentários

A Empresa de Saneamento do Mato Grosso do Sul (Sanesul) inaugurou, nessa terça-feira (21), R$ 4,3 milhões em obras de esgoto em Chapadão do Sul, localizada região do Bolsão do Estado. Foram entregues aos moradores 29 mil metros de rede coletora, com 2,5 mil ligações domiciliares.

A entrega aconteceu em uma cerimônia que contou com a presença do governador Reinaldo Azambuja, o secretário de Infraestrutura, Eduardo Riedel, e o diretor-presidente da estatal, Walter Carneiro Jr.

Também estiveram presentes o prefeito João Carlos Krug, o Secretário da Casa Civil, Sérgio de Paula, e o diretor-presidente da Fundação do Trabalho do MS (Funtrab), Marcos Derzi.

A estrutura entregue está sob operação da Ambiental MS Pantanal (AMSP) – empresa criada a partir da Parceria Público-Privada (PPP) entre a Sanesul e o Grupo Aegea. Desde maio, a companhia assumiu os serviços de coleta, afastamento e tratamento do esgoto em todas os 68 municípios em que a Sanesul está presente.

Com a PPP, possibilitada pelo Marco Legal do Saneamento, o MS deve se tornar o primeiro estado do país a atingir a universalização do saneamento básico dentro dos próximos dez anos, garantindo acesso a mais 1,7 milhão de sul-mato-grossenses aos serviços. Para isso, a MS Pantanal estima um investimento de cerca de R$ 1 bilhão em obras.

“Fico imensamente grata por fazer parte deste processo que estamos vivendo”, disse Fernanda Jara, supervisora da MS Pantanal para a região de Chapadão do Sul. Ela explicou que o intuito da parceria é acelerar os investimentos no setor para que a meta da universalização seja atingida o quanto antes. “Vamos levar mais qualidade de vida para a população”.

Laguna Carapã. Também nesta semana, a Sanesul entregou uma estação de tratamento de esgoto (ETE), 10 quilômetros de rede coletora e 372 ligações domiciliares ao município de Laguna Carapã, ao sul do Estado.

A entrega foi realizada em ato público na presença do prefeito do município, Ademar Dalbosco, vereadores e secretários municipais. Durante a solenidade, também foi entregue uma estação elevatória de esgoto. Ao todo, os investimentos em Laguna somam R$ 4,13 milhões.

UFMS e MS Pantanal assinam termo de cooperação técnico-científica

Postado por administrador em 01/set/2021 - Sem Comentários

A Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) e a Ambiental MS Pantanal (AMSP) – empresa criada a partir da Parceria Público-Privada (PPP) do saneamento entre a Sanesul e o Grupo Aegea – assinaram, nessa terça-feira (31), um protocolo de intenções que visa a cooperação técnico-científica entre as partes, em Campo Grande.

Com o protocolo, as partes formalizam a intenção de colaborarem em projetos que venham a beneficiar a produção científica em âmbito estadual, no tocante a assuntos de saneamento básico, engenharia e meio ambiente, por exemplo.

Além do reitor da UFMS, Marcelo Turine, estiveram presentes a vice-reitora, Camila Itavo; o diretor da Agência de Desenvolvimento e Inovação (Aginova), Saulo Moreira; e professores, diretores e pesquisadores da Faculdade de Engenharia (Faeng). Também participaram o diretor regional de relações institucionais da Aegea, Paulo Antunes; o diretor presidente da AMSP, Celso Paschoal; e o diretor-executivo da empresa, Clayton Bezerra.

Na esteira do encontro, Turine afirmou que “é um orgulho muito grande para a UFMS assinar um protocolo de intenções junto a uma empresa que é referência em saneamento em todo o país e, em especial, no Mato Grosso do Sul”. “Tenho certeza que nascerão daqui muitos projetos inovadores para a sociedade sul-mato-grossense… projetos de impacto científico para melhorar a qualidade de vida da população”, ressaltou o reitor.

“Estarmos do lado da academia irá permitir troca de experiências e pesquisas que contribuirão de forma significativa para a implantação de melhorias no saneamento em nosso Estado”, disse Antunes. “Trata-se da união dos melhores esforços, conhecimentos e práticas sustentáveis que passarão a estar em sinergia”, explicou.

Sobre a PPP. A MS Pantanal assumiu, desde maio, a operação plena de serviços de coleta, afastamento e tratamento de esgoto em todos os 68 municípios em que a Sanesul já atua. A parceria pioneira se tornou viável após a sanção do Marco Legal do Saneamento, em 2020.

Ao lado da Sanesul, a companhia controlada pelo Grupo Aegea tem a meta de universalizar os serviços de saneamento básico até 2031, antecipando-se à legislação. Com o cumprimento da meta, mais 1,7 milhão de sul-mato-grossenses terão acesso aos serviços, posicionando o MS como o primeiro estado do Brasil a realizar tal feito. Para isso, estima-se um investimento de cerca de R$ 1 bilhão em obras por parte da iniciativa privada.

Desde maio, equipes e veículos da PPP já podem ser vistos por moradores de todas as regiões do Estado. Apenas nos primeiros três primeiros meses de operação, a MS Pantanal já ligou mais de 1,8 mil moradias à rede de esgoto. Além disso, foram realizados 5,5 mil serviços de desobstrução, para que o esgoto possa fluir com segurança.

MS Pantanal conclui ligação de 255 moradias à rede de esgoto de Três Lagoas

Postado por administrador em 30/ago/2021 - Sem Comentários

A Ambiental MS Pantanal (AMSP), empresa criada a partir da Parceria Público-Privada (PPP) entre a Sanesul e o Grupo Aegea, concluiu, nesta semana, a ligação de 255 habitações à rede de esgoto, em Três Lagoas.

Foram finalizadas ligações no bairro Nova Americana e no Jardim Glória. Estima-se que, ao todo, cerca de 900 pessoas sejam beneficiadas pelos serviços.

Os trabalhos fazem parte de um plano da PPP para disponibilizar ligações em lotes urbanizados que já possuem rede de esgoto disponível, levando mais qualidade de vida à população sul-mato-grossense.

Em maio, a empresa assumiu as operações de coleta e tratamento de esgoto em Três Lagoas e em outros 67 municípios do estado onde a Sanesul já atua, na esteira de um período de três meses em que os ativos da estatal foram cadastrados e as plantas digitalizadas. Desde então, equipes e veículos da PPP são vistos em todas as regiões do Mato Grosso do Sul.

A MS Pantanal tem a meta de, ao lado da Sanesul, universalizar o esgotamento sanitário no estado até o final de 2031, quando mais 1,7 milhão de sul-mato-grossenses devem ter acesso aos serviços, totalizando uma cobertura de 98% da população. Com isso, o MS será o primeiro estado do país a atingir a universalização do saneamento básico.

Novos equipamentos. No final de julho, Três Lagoas ainda recebeu uma terceira unidade do caminhão customizado da MS Pantanal, chamado de retro saneamento. O veículo é apontado como uma solução para o setor de saneamento e foi desenhado com o objetivo de minimizar possíveis transtornos causados por obras.

A retro saneamento traz mais agilidade a serviços como manutenção, troca de tubulação, ligação da rede de esgoto, entre outros. Isso será possível porque esse tipo de caminhão reúne – em um só veículo – equipamentos como caçamba, retroescavadeira, baús para acondicionamento de ferramentas, guindaste e engate rápido para instrumentos hidráulicos.

Com isso, o deslocamento de vários veículos para a realização de um só serviço não se faz mais necessário, resultando na redução da emissão de poluentes e de possíveis transtornos no tráfego das cidades. Municípios como Dourados, Ponta Porã, Nova Andradina, Naviraí, Aquidauana, Sidrolândia, Jardim e Chapadão do Sul também receberam modelos da retro saneamento da MS Pantanal.

Além disso, a AMSP investiu em novos geradores de energia elétrica, que darão apoio ao funcionamento das estações elevatórias de esgoto Caçula e Difusora, em Três Lagoas. A instalação desses equipamentos deve trazer mais segurança e eficiência às operações.

Os geradores serão instalados como uma medida preventiva, uma vez que uma queda prolongada da rede elétrica pode interromper o funcionamento das elevatórias que bombeiam o esgoto bruto produzido pelo município e causar possível extravasamento do efluente.

Referência Nacional, PPP do Saneamento completa 100 dias de operação no MS; veja o que já foi feito

Postado por administrador em 23/ago/2021 - Sem Comentários

Considerada uma referência para todo o país, dado seu pioneirismo, a Parceria Público-Privada (PPP) entre a Sanesul e o Grupo Aegea – que deu origem à empresa Ambiental MS Pantanal (AMSP) – completou, neste mês, cem dias de operação no Mato Grosso do Sul.

Desde maio, com o início da chamada “operação plena” da AMSP, cerca de 6,3 mil sul-mato-grossenses já foram conectados à rede coletora de esgoto. A companhia está presente nos 68 municípios onde a Sanesul já atua e suas equipes e veículos já são vistos trabalhando em todas as regiões do Estado.

De lá pra cá, os avanços foram notáveis. Apenas nos primeiros três primeiros meses de operação, a MS Pantanal já ligou cerca de 1,8 mil moradias à rede de esgoto. Além disso, foram realizados 5,5 mil serviços de desobstrução, para que o esgoto possa fluir com segurança.

Universalização. A PPP surgiu com a meta de acelerar os investimentos para que o estado atinja a universalização do saneamento básico dentro dos próximos dez anos. A assinatura do contrato entre a Sanesul se deu em 5 de fevereiro deste ano, na esteira da vitória da Aegea em um leilão promovido em outubro de 2020, logo após a sanção do Marco Legal do Saneamento.

O evento de assinatura do contrato contou a presença do governador do estado, Reinaldo Azambuja, do presidente da Sanesul, Walter Carneiro Jr., e de outros executivos da Aegea Saneamento. À época, Azambuja disse que “o grande legado desta parceria é a possibilidade de abreviar o tempo, podendo entregar mais ao estado em um curto espaço de tempo”. “Quem olha o projeto de saneamento verá que é voltado à qualidade de vida”, afirmou.

Celso Paschoal, diretor-presidente da MS Pantanal, explica que uma das expectativas com a chegada da iniciativa privada na modelagem é a de continuar trazendo inovações e possibilidades para otimizar a execução dos serviços. “A MS Pantanal veio pra isso; impulsionar os investimentos, trazer melhorias, agilidade e eficiência nos processos, bem como minimizar possíveis transtornos na execução dos trabalhos”, disse.

Com o cumprimento da meta estabelecida pela PPP, mais 1,7 milhão de pessoas terão acesso ao saneamento básico ao final de 2031, posicionando o MS como o primeiro estado do país a atingir a universalização. Para isso, estima-se um investimento de cerca de R$ 1 bilhão em obras por parte da iniciativa privada.

Novos Equipamentos. Entre as melhorias trazidas pela PPP, estão os caminhões customizados da MS Pantanal, que foram distribuídos em vários municípios do estado. O modelo foi desenhado com o objetivo de minimizar possíveis transtornos em serviços como manutenção, troca de tubulação e ligação na rede de esgoto.

Isso será possível porque esse tipo de caminhão reúne em um só veículo equipamentos como caçamba, retroescavadeira, baús para acondicionamento de ferramentas, guindaste e engate rápido para instrumentos hidráulicos.

Com o novo caminhão, o deslocamento de vários veículos para a realização de um só veículo não se faz mais necessário, resultando na redução de poluentes e possíveis transtornos no tráfego das cidades. Desde maio, a MS Pantanal já distribuiu 14 modelos da retro saneamento em cidades como Três Lagoas, Dourados, Ponta Porã, Nova Andradina, Naviraí, Aquidauana, Sidrolândia, Chapadão do Sul e Jardim.

Além disso, foram 24 mini hidro jatos, usados na desobstrução da rede de esgoto e 4 caminhões hidro jato, utilizados para o mesmo fim. Em Corumbá, a MS Pantanal disponibilizou uma retroescavadeira com rompedor, dadas as peculiaridades do solo da região, localizada no Maciço do Urucum. O solo da região é conhecido por seus depósitos de minérios que o tornam mais difícil de ser rompido.

Modernização. O sistema de monitoramento da rede coletora de esgoto também foi modernizado com a chegada da PPP, com a instalação de novas centrais digitais, que vieram substituir discadoras analógicas antigas e permitirão a coleta de dados operacionais mais detalhados nas estações elevatórias e de tratamento do esgoto (ETEs) do estado.

No novo sistema, o quadro de comando de cada unidade envia dados sobre o funcionamento dos equipamentos da planta para um sistema informatizado.

A iniciativa incorpora inteligência de dados e tecnologia à gestão, permitindo a coleta e cruzamento de informações importantes e úteis para o desenvolvimento de estratégias de atuação e investimento.

Na prática, isso significa que o funcionamento de 192 estações elevatórias de esgoto (EEEs) está sendo monitorado pelo Centro de Controle Operacional (CCO) da empresa, em Campo Grande, em tempo real, 24 horas por dia, todos os dias.

A AMSP ainda instalou geradores de energia em estações elevatórias de esgoto (EEEs) de Três Lagoas, que darão apoio ao funcionamento em caso de queda de energia. A instalação desses equipamentos deve trazer mais segurança e eficiência às operações, uma vez que quedas prolongadas de energia podem resultar no extravasamento de esgoto.

Infra Inteligente. Antes de assumir as operações de afastamento, coleta e tratamento de esgoto, em maio, a AMSP conduziu o programa Infra Inteligente, da Aegea – maior empresa privado de saneamento do país -, num período de três meses para mapear todos os ativos repassados pela Sanesul.

No período, foram percorridas cerca de 68 estações de tratamento de esgoto (ETEs) e 200 EEEs. Para isso, a empresa lançou mão de equipamentos de última geração, como drones capazes de reproduzir modelos tridimensionais das plantas.

Reconhecido internacionalmente, o Infra Inteligente foi destaque no Fórum do Saneamento realizado na Bolsa de Valores de São Paulo, em julho. À época, o diretor-sênior de projetos da Aegea, Wagner Carvalho – um dos palestrantes do evento – explicou que o mapeamento inteligente da estrutura de esgotamento sanitário do MS possibilita monitorar a saúde dos ativos “como se fosse um exame médico”.

De acordo com o diretor, o Infra Inteligente viabiliza a gestão intensiva dessa estrutura. “Com isso, é possível traçar estratégias mais assertivas de investimento e manutenção do patrimônio”, disse.

Sanesul entrega R$ 4,2 milhões em obras de saneamento em Antônio João

Postado por administrador em 19/ago/2021 - Sem Comentários

O diretor-presidente da Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul (Sanesul), Walter Carneiro Jr., entregou, nesta semana, R$ 4,2 milhões em obras de ampliação do sistema de esgotamento sanitário no município de Antônio João, na fronteira com o Paraguai.

Em ato público na presença do prefeito Marcelo da Silva Oliveira, vereadores e secretários, foram entregues 23,9 quilômetros de rede coletora de esgoto e 1.043 ligações domiciliares ao sistema, além de uma estação elevatória e obras complementares. Os investimentos fazem parte da primeira etapa do programa “Avançar Cidades” (Caixa Econômica Federal).

Na ocasião, Carneiro Jr. Recebeu homenagem da Câmara de Vereadores, que aprovou uma “Moção de Congratulações” pelos relevantes serviços e empenho dedicado à população do município.

A estrutura será operada pela Ambiental MS Pantanal (AMSP) – empresa de saneamento que nasceu da Parceria Público-Privada (PPP) entre a Sanesul e o Grupo Aegea, na esteira da sanção do Marco do Saneamento, em 2020. Desde maio, com o início da operação plena da AMSP, equipes e veículos da PPP já podem ser vistos em todos os 68 municípios sul-mato-grossenses em que a Sanesul já atua.

“É uma imensa alegria fazer parte dessa conquista e desse projeto tão importante que é levar mais saúde até a porta de cada família, pois é isso que eu vejo a felicidade no olhar das pessoas quando vamos ligar sua residência à rede de esgoto”, disse Lucas Weber de Lima, supervisor da MS Pantanal em Antônio João. “Cada obra entregue é um passo a mais para universalização do esgotamento sanitário em nosso estado”, concluiu.

A PPP do MS tornou-se referência nacional ao se antecipar à legislação e tem a meta ambiciosa de universalizar o saneamento básico no estado dentro dos próximos dez anos. Com isso, o MS se posicionará como o primeiro estado brasileiro a garantir acesso ao saneamento básico a toda a população. Para isso, estima-se um investimento de R$ 1 bilhão em obras por parte da MS Pantanal.